Notícias
03
Mar
2021
PGFN reabre negociação de dívida e permite parcelamento a empresa em recuperação

PGFN reabre negociação de dívida e permite parcelamento a empresa em recuperação

A Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) reabriu na segunda-feira (1/3) o Programa de Retomada Fiscal, que permite a entrada de contribuintes em transações tributárias, com o pagamento de dívidas em até 142 meses. O órgão também trouxe uma novidade relevante ao prever, pela primeira vez, o parcelamento de débitos de empresas em recuperação judicial.

De acordo com a portaria que reabre o Programa de Retomada Fiscal, as medidas têm como objetivo “estimular a conformidade fiscal relativa aos débitos inscritos em dívida ativa da União, permitindo a retomada da atividade produtiva em razão dos efeitos da pandemia causada pelo coronavírus”.

Recuperação Judicial

O novo programa permite que empresas em recuperação ou que discutem o tema no Judiciário liquidem os seus débitos com a Fazenda Nacional em até 120 prestações mensais.

De acordo com a norma, as primeiras 12 parcelas da dívida devem ter valor correspondente a, no mínimo, 0,5% do total da dívida parcelada. Da 13ª parcela à 24ª o valor mínimo que precisa ser pago é de 0,6%, e as parcelas restantes serão cobradas com o saldo remanescente da dívida.

Segundo a portaria, a renegociação não pode ultrapassar o valor de 70% da dívida total. O prazo máximo de quitação é de 145 meses para empresários individuais, microempresas, empresas de pequeno porte, instituições de ensino e cooperativas.

Contribuintes em recuperação judicial que desenvolvem projetos sociais terão 132 meses para a regularização da dívida. Os demais têm o prazo de 120 meses. O requerimento para utilização dos instrumentos de negociação de débitos deve ser feito exclusivamente por meio do portal Regularize da PGFN.

A portaria, que tem vigência imediata, também prevê descontos de até 50% do valor total do crédito para dívidas de até 60 salários mínimos de empresas em recuperação judicial, além de prazo para pagamento de, no máximo, 60 meses.

Programa de Retomada Fiscal

A PGFN também reabriu o Programa de Retomada Fiscal. Com isso, pessoas físicas e jurídicas podem participar dos programas de transação extraordinária de dívidas com a União. As condições especiais valem para todos os contribuintes, em recuperação judicial ou não.

Na prática, são oferecidas condições preferenciais de pagamento aos contribuintes, com parcelamento da dívida em até 81 meses – ou em até 142 meses na hipótese de contribuinte pessoa física, empresários individuais, microempresas, empresas de pequeno porte, instituições de ensino e santas casas de misericórdia e sociedades cooperativas.

A reabertura do programa terá início em 15 de março, e ficará disponível até 30 de setembro de 2021.

JOTA

Comente essa publicação