Notícias
07
Mar
2019
Receita informa que entrega da declaração não estará disponível de madrugada

Receita informa que entrega da declaração não estará disponível de madrugada

A entrega da declaração do Imposto de Renda não estará disponível durante as madrugadas, informou a Receita Federal nesta quinta-feira (7). Segundo Valter Koppe, supervisor de IRPF em São Paulo, o sistema da Receita fica inoperante para manutenção entre 1h e 5h, impedindo o envio do documento neste período. Nos outros horários, a entrega está liberada, até dia 30 de abril.

Koppe esclareceu também que a declaração já é processada a partir do momento em que o contribuinte envia o documento, quando são feitos mais de 20 cruzamentos de dados.

"É muito importante acompanhar o resultado do processamento de sua declaração e, se algum divergência aparecer, espere pelo menos até o início de maio para ir atrás da regularização", orienta Koppe.

Segundo o superintendente adjunto da Receita Federal, Fábio Ejchel, a cada ano o preenchimento da declaração tem ficado mais fácil. "Não é preciso ter um conhecimento de contabilidade, ele pode se basear nas declarações anteriores, o que facilita bastante", diz.

Ele alertou que, no período de entrega, aumentam as tentativas de fraudes aos contribuintes. "A Receita não envia e-mails e correspondências pedindo dados bancários ou alertando sobre a restituição. O único canal onde essas informações são prestadas é o site oficial" disse Ejchel.

Ele listou alguns dos motivos que mais têm levado o contribuinte a ficar retido na malha fina. Veja quais são:

  1. Omitir rendimentos é o maior motivo de divergências na declaração, segundo Ejchel. "Quem tem mais de uma fonte pagadora e não declara certamente vai cair".
  2. Informar os valores incorretos recebidos das fontes pagadoras. O número deve bater com o fornecido por elas.
  3. Informar despesas médicas que não são dedutíveis, como a compra de remédios, óculos ou reembolso de plano de saúde.
  4. Colocar doações para entidade filantrópicas ou para igrejas que em princípio não são dedutíveis do imposto devido.

 

Por Tais Laporta, G1

Comente essa publicação